WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
hospital sao jose secom bahia prefeitura ilheus transporte ilegal

:: ‘Codeba’

Mário Alexandre quer a revitalização da área do antigo Porto de Ilhéus

Inconformado com a situação de abandono da área do antigo porto de Ilhéus, localizada no centro histórico da cidade, o prefeito Mário Alexandre manifestou a ideia de revitalizar o local. Nesse sentido, encaminhará documento ao Ministro de Estado dos Transportes, Portos e Aviação CivilMaurício Quintella Malta Lessa, e iniciará tratativas com a Codeba (Companhia Docas do Estado da Bahia), através do presidente Pedro Antônio Dantas Costa Cruz, a fim de reivindicar que o restante da referida área portuária, passe a ser gerenciado pelo município, com o objetivo de desenvolver projetos para o local, além prospectar investimentos visando a sua revitalização.

Desativado desde o início dos anos 70, quando o Porto do Malhado começou a operar, a área do antigo porto de Ilhéus, na Baía do Pontal, foz do Rio Cachoeira, pertencente à Codeba, foi deteriorando até que o estado de abandono sucateou a sua estrutura e se tornou um grave problema para a importante área central da cidade. Vista de perto ou do bairro do Pontal, o local apresenta aspecto caótico à paisagem urbana de Ilhéus.

Além de o local servir para o acúmulo de lixo e esconderijo de meliantes e usuários de drogas, ainda há o risco de acúmulo de água parada onde se reproduzem mosquitos que disseminam doenças e animais peçonhentos. Não fossem algumas providências e a situação estaria pior. Há alguns anos, a Prefeitura de Ilhéus, após entendimentos com a Codeba, demoliu dois armazéns cujas estruturas estavam bastante comprometidas, transformando a área em estacionamento para veículos. Por sua vez, a instalação do Porto Pesqueiro, pela Bahiapesca/Governo do Estado, veio de encontro às expectativas dos ilheenses de revitalização da área, com o uso destinado às suas vocações.

Plano – Nesse contexto, o prefeito Mário Alexandre incumbiu ao vice-prefeito José Nazal, secretário de Planejamento e Desenvolvimento Sustentável, a missão de analisar eproporalternativas para que o espaço seja reintegrado à vida da cidade.  Para o prefeito, a área é estratégica e sua revitalização deve atender ao programa de desenvolvimento do turismo e do comércio de Ilhéus, além de servir como opção de lazer para a população.

“Não é sensato que um espaço tão nobre da nossa cidade continue em completo estado de abandono, sendo um destaque negativo do nosso principal centro urbano. Queremos, sob autonomia municipal, dar encaminhamento a soluções que transformem a área do antigo Porto de Ilhéus em uma referência e que seja motivo de orgulho para o nosso povo”, explicou o prefeito.

Codeba busca melhora do Porto de Ilhéus

Porto de Ilhéus

Porto de Ilhéus

Nesta quinta, 4, a equipe da diretoria Comercial e Desenvolvimento de Negócios da Companhia das Docas da Bahia (Codeba) visitou o Porto de Ilhéus.

De acordo com o diretor Élio Regis, a proposta é conhecer com detalhes a estrutura do porto e enumerar as necessidades para melhoria de desempenho. “A expectativa é atrair novas cargas”.

Os três portos públicos administrados pela Codeba, de Salvador, Aratu-Candeias e Ilhéus, movimentaram 5,4 milhões de toneladas de carga no primeiro semestre, volume superior em 400 mil ao mesmo semestre de 2015.

Em Salvador, o movimento ao longo do semestre ficou em 2,1 milhões de toneladas, 11,8% a mais na comparação ao mesmo semestre de 2015, com destaque as exportações em contêineres.

Aratu-Candeias registrou 3,1 milhões de toneladas no mesmo período, reflexo do maior volume de embarques dos graneis líquidos e produtos gasosos. Mas o Porto de Ilhéus apresentou uma queda de 6,2%.

O Complexo Portuário, formado pelos portos administrados pela Codeba e de uso privado, movimentaram no semestre 17,8 milhões de toneladas em cargas, cabendo aos portos públicos uma participação de 30%.( Região)

Indicado por Lúcio e Geddel Vieira Lima, Pedro Dantas vai assumir a Codeba

Do Metro 1

19436,indicado-por-lucio-e-geddel-vieira-lima-pedro-dantas-vai-assumir-a-codeba-2Pedro Dantas vai assumir a Companhia de Docas do Estado da Bahia (Codeba). A indicação é do ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima e do deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB). A Codeba é vinculada à Secretaria de Portos da Presidência da República.

Dantas já foi diretor da própria Codeba entre 1995 e 2003, na administração de João Henrique, na Prefeitura de Salvador, assumiu as secretarias de Governo, da Casa Civil e de Planejamento, Tecnologia e Gestão.

Na manhã desta sexta-feira (15), o deputado Lúcio Vieira Lima exaltou o currículo de Pedro Dantas. “É um técnico competente. Oriundo da Secretaria da Fazenda da Bahia e trabalhou na Codeba antes. Um excelente quadro”, ressaltou.

Dantas substitui José Rebouças, ligado ao senador Otto Alencar (PSD). Ele deve assumir na próxima segunda-feira (18).

Novo caso: Auditores Fiscais do Trabalho resgatam cinco trabalhadores em condições análogas a escravo em Ilhéus

 Todos os trabalhadores vivem em péssimas condições de higiene, não tendo camas nem travesseiros para descasarem.

Todos os trabalhadores vivem em péssimas condições de higiene, não tendo camas nem travesseiros para descasarem.

Em operação conjunta, auditores fiscais do trabalho e agentes da Polícia Federal, encontraram, hoje pela manhã, cinco trabalhadores vivendo em condições degradantes em um alojamento na cidade de Ilhéus. Já é o segundo caso, em apenas uma semana, de resgate de trabalhadores que são mantidos por empresas em locais sem condições dignas de sobrevivência. Os trabalhadores prestam serviço à empresa Passo Três, contratada pela Companhia das Docas do Estado da Bahia – CODEBA para executar serviços de pintura e outras atividades equiparadas na área de construção civil.

Segundo informou o encarregado da obra, dois trabalhadores vieram do município de Ubatã e dois de Ibirataia. Com exceção dele, os demais trabalhadores não possuem a carteira assinada.  Todos os trabalhadores vivem em péssimas condições de higiene, não tendo camas nem travesseiros para descasarem. Os colchões que estão na casa foram comprados pelos próprios trabalhadores e a comida, além de não ser adequada, vem sendo comprada, desde o mês de março, pelo encarregado da obra com o seu próprio dinheiro, totalizando um valor de dois mil reais, sem ressarcimento algum por parte da empresa.

 Os Auditores ainda estão no local realizando o resgate dos trabalhadores que serão levados para o alojamento do Centro de Referência de Assistência Social da Cidade – CRAS. O responsável pela empresa Passo Três não foi encontrado até o momento e a CODEBA afirma que não tinha conhecimento das condições impróprias em que os trabalhadores estavam submetidos.

Segundo o Auditor Fiscal Daniel Fiuza, os esforços estão sendo feitos para encontrar o empregador a fim de regularizar a situação dos trabalhadores, efetivando a formalização do vínculo empregatício, com a assinatura da carteira de trabalho, o pagamento das verbas rescisórias e o retorno às cidades de origem. Também estão sendo providenciada pelos Auditores Fiscais, a emissão das guias do seguro desemprego para os trabalhadores resgatados.

 Na quinta-feira passada (09), oito trabalhadores também foram encontrados em situação similar em outro alojamento na cidade.  Eles vieram de Serrinha para prestar serviço à empresa São Miguel Construtora, na obra de construção do Centro de Arte e Esporte Unificado – CEO em Ilhéus, porém, não recebiam salário e não tinham a carteira de trabalho assinada. Além das condições precárias de trabalho, como ausência de banheiro em condições de uso, refeitório inadequado para as refeições e água imprópria para consumo, estavam alojados nas mesmas condições desses cinco trabalhadores. Na ocasião, os auditores fiscais resgataram os trabalhadores que estão no alojamento do CRAS. Hoje à tarde, a empresa ficou de comparecer à Gerência do Trabalho em Ilhéus para realizar o pagamento das verbas rescisórias, assinar a carteira de trabalho e providenciar o retorno dos trabalhadores para Serrinha.

Codeba lança em Ilhéus licitação para reativar Moinho

Instalado ao lado do Porto do Malhado, o moinho foi desativado em 2005, quando a empresa Bunge Alimentos parou as atividades na cidade.

Instalado ao lado do Porto do Malhado, o moinho foi desativado em 2005, quando a empresa Bunge Alimentos parou as atividades na cidade.

Será lançado nesta quarta-feira, dia 25 de novembro, no Salão Nobre do Palácio Paranaguá, sede da administração municipal, o edital de licitação para a reativação do Moinho de Ilhéus. O ato será realizado às 9 horas, com as presenças do prefeito Jabes Ribeiro e do presidente da Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba), José Muniz Rebouças.

Instalado ao lado do Porto do Malhado, o moinho foi desativado em 2005, quando a empresa Bunge Alimentos parou as atividades na cidade. O equipamento ocupa área de 11 mil m² e estima-se que, para voltar a operar, seja necessário investimento de cerca de 30 milhões de reais, e a possibilidade de gerar, direta e indiretamente, cerca de 500 empregos.

A campanha para a reativação do moinho foi iniciada no ano passado pelo vice-prefeito Carlos Machado (então secretário de Indústria e Comércio).

A proposta contou com a adesão de diversas autoridades dos governos federal e estadual, entre eles, o ex-Ministro dos Portos, César Borges, e o atual vice-governador da Bahia, João Leão.

Empresas de diversos estados já manifestaram interesse em participar da concorrência para a reativação do moinho, que, com o fim das atividades da  Bunge, teve a sua área incorporada ao Porto do Malhado. No auge da sua operação, o antigo Moinho Ilhéus chegou a processar 360 toneladas/dia. O fim das suas atividades trouxe significativo impacto para a economia da região, inclusive o fechamento de 500 postos diretos e indiretos de trabalho.

Deputados Bebeto Galvão e Ângela Sousa levam questões do sul da Bahia ao ministro dos Portos

Deputada Ângela Sousa, o ministro e o deputado federal Bebeto Galvão.

Deputada Ângela Sousa, o ministro Edinho Araújo, e o deputado federal Bebeto Galvão.

Buscando encontrar respostas para algumas das questões prioritárias do município de Ilhéus, sul da Bahia, a deputada estadual Ângela Sousa (PSD) acompanhada do deputado federal Bebeto (PSB) estiveram com o ministro da Secretaria de Portos (SEP), Edinho Araújo, em Brasília nesta quinta-feira (10). Os parlamentares trouxeram a conhecimento do ministro a situação do avanço da maré na orla da zona norte do município de Ilhéus, situação de emergência nos bairros São Miguel e São Domingos, e também um pedido de cessão de áreas da Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba) para contribuir com os correios de Ilhéus.

A deputada Ângela Sousa, declarou que não tem medido esforços na luta para viabilizar questões importantes para a região sul da Bahia, e obter respostas as necessidades emergências da região. “Precisamos de uma medida emergencial, capaz de resolver esse antigo problema, uma vez que o período de alta estação se aproxima e um dos vetores da economia da região é o turismo”, destacou a deputada frisando ainda que BA-001 é uma das principais vias de acesso para os turistas, e que a situação em causado sérios problemas a população, porém, nos últimos meses, tem tomado proporções drásticas, o que tem causado um estado de total apreensão dos moradores da localidade.

Como resposta as demandas, o ministro dos Portos, acompanhado de seu secretário de Infraestrutura Portuária, Américo Almeida, se mostrou disponível e sensibilizado com a situação do avanço da maré, em razão da situação de urgência e em decorrência dos sérios danos causados à população. Segundo ele, os pedidos serão repassados para a área técnica para avaliação, para que posteriormente seja avaliado o que pode ser feito. Já com relação ao pedido de cessão de áreas da Codeba para contribuir com os correios de Ilhéus, a solicitação será repassada para secretaria de Políticas Portuárias, que ficará encarregada de fazer uma avaliação da poligonal da área – avaliar se é de posse da União ou privado, para que assim, seja encontrada a melhor solução para o pleito dos parlamentares. No final da audiência os parlamentares formalizaram os pedidos protocolando ofícios na instituição.

Codeba vai lançar edital para reativar o Moinho Ilhéus

O Moinho Ilhéus ocupa 11 mil metros quadrados da área incluída na poligonal do Porto do Malhado.

O Moinho de Ilhéus ocupa 11 mil metros quadrados da área incluída na poligonal do Porto do Malhado.

A Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba) e a prefeitura de Ilhéus anunciam no próximo domingo (28), dia da cidade, o lançamento do edital para o arrendamento da área e instalações do antigo Moinho Ilhéus, desativado em 2005. A expectativa é de que o lançamento do edital ocorra nos próximos dois meses, atraindo o interesse de empresas interessadas em recolocar em funcionamento o antigo moinho.

 “Posso assegurar que pelo menos três empresas já demonstraram interesse em participar da disputa. Acreditamos que Ilhéus voltará a ter o seu moinho, gerando empregos e contribuindo para o fortalecimento da economia da região”, avalia o presidente da Codeba, José Muniz Rebouças.

 O Moinho Ilhéus ocupa 11 mil metros quadrados da área incluída na poligonal do Porto do Malhado. Há 10 anos, quando a Bunge Alimentos,  empresa responsável pela sua operação, decidiu paralisar as suas atividades,  o terreno e as instalações foram reincorporadas a administração da CODEBA. Em 2014 o então ministro da Secretaria Especial dos Portos, César Borges, autorizou a empresa a iniciar gestões em conjunto com a Prefeitura do Município, no sentido de reativar o moinho. Recentemente, o atual ministro, Edinho Araújo, autorizou a elaboração do edital para o arrendamento.

 A paralisação das atividades do moinho representou um impacto negativo para a economia de Ilhéus e de toda a região Sul. Uma das principais conseqüências foi o fechamento de cerca de 500 postos diretos e indiretos de trabalho. No auge da sua operação, o antigo Moinho Ilhéus chegou a processar 360 toneladas/dia. O retorno das suas atividades representa o investimento estimado em R$ 23 milhões.

 O edital a ser lançado pela Codeba vai incluir no arrendamento, seis silos para armazenamento do trigo. A previsão é de que, após a publicação do edital, o processo licitatório seja concluído no máximo em 60 dias. Dessa forma, até outubro a nova operadora do Moinho Ilhéus deverá assinar o contrato para o início das suas atividades.

 “A SEP e a Codeba atuam, a partir da gestão portuária, como indutoras do processo de desenvolvimento e nesse contexto, a retomada das operações do Moinho Ilhéus cumpre uma finalidade estratégica como contribuição ao fortalecimento da economia ilheense”, ressaltou o presidente da Codeba.

PF desarticula esquema criminoso de desvio de cargas na Bahia

 A organização criminosa que agia dentro de uma cooperativa de caminhoneiros desviando cargas de navios do interior do Porto de Aratu.

A organização criminosa que agia dentro de uma cooperativa de caminhoneiros desviando cargas de navios do interior do Porto de Aratu.

A Polícia Federal deflagrou na manhã de hoje (16) a Operação Carga Pesada com o objetivo de desarticular uma organização criminosa que agia dentro de uma cooperativa de caminhoneiros desviando cargas de navios do interior do Porto de Aratu, localizado em Candeias, a 50km de Salvador.

Aproximadamente 200 policiais federais cumpriram 53 mandados judiciais, dentre eles 24 de prisão, duas conduções coercitivas e 27 de busca e apreensão na Bahia e Minas Gerais.

As investigações começaram a partir de duas apreensões de caminhões realizadas pela polícia em Minas Gerais e São Paulo. Os policiais identificaram um desvio de R$ 100 milhões em mercadorias, nos últimos dez anos. O objeto do furto consistia, principalmente, em fertilizantes e concentrado de cobre.

O primeiro escalão da organização criminosa era composto pelos diretores da cooperativa, que organizava o carregamento de caminhões e o transporte de todas as mercadorias do Porto de Aratu para unidades produtoras e consumidores em diversas regiões do País. A organização criminosa contava com o auxílio de guardas e empregados das empresas furtadas, agentes da empresa de segurança patrimonial, motoristas e policiais reformados.

A quadrilha envolvia, além do roubo das cargas, a prática de extorsão e intimidação de testemunhas. Durante o ano em que ocorreram as investigações, a Polícia Federal identificou três homicídios e três tentativas de homicídio praticados por integrantes da organização com a finalidade de silenciar testemunhas e garantir a continuidade dos crimes.

Os envolvidos responderão por furto qualificado, participação em organização criminosa, falsidade ideológica, corrupção ativa, corrupção passiva, coação no curso do processo e homicídios de testemunhas.

CODEBA

Em nota encaminhada aos meios de comunicação, a COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA (CODEBA) , disse que desde o início das investigações, tem colaborado irrestritamente com a Polícia Federal, para desvendar os autores da ação criminosa de desvio de cargas que vinha ocorrendo no Porto de Aratu-Candeias.

Continuando nota, a empresa se colocou como a principal interessada no desvendamento dessa ação criminosa, por entender que os seus autores, além dos crimes contra o patrimônio e os homicídios de que são acusados, ao colocarem em risco a segurança do Porto de Aratu-Candeias, atentaram também contra a estabilidade da economia do Estado, já que o porto atende aos principais complexos industriais baianos que isoladamente respondem por mais de 40% do PIB estadual

Portos baianos batem recordes em 2014

Presidente da Codeba, José Rebouças.

Presidente da Codeba, José Rebouças.

Os portos baianos fecharam 2014 registrando recordes históricos que consolidam o complexo portuário do estado entre os principais do país. No total, a soma da movimentação de cargas dos portos públicos e terminais de uso privado (TUPs), alcançou 40 milhões de toneladas, um crescimento de 10%, em relação às 35,6 milhões de toneladas de 2013. Isoladamente, as unidades públicas (Salvador, Candeias e Aratu) atingiram 11,3 milhões de toneladas e pela primeira vez, o porto da capital baiana ultrapassou a barreira de 4 milhões de toneladas.

“Atingimos esse resultado, porque adotamos uma política de atuação conjunta do poder público e a iniciativa privada em defesa do segmento portuário baiano. Ao mesmo tempo, nos portos públicos desenvolvemos uma estratégia comercial agressiva, que nos possibilitou atrair para a Bahia a produção de outros estados e a diversificação dos produtos da nossa pauta de operação” explicou o presidente da Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba), José Muniz Rebouças.

O balanço final de exercício 2014, que será publicado em março, registra recordes de movimentação de cargas em todos os três portos públicos. Aratu movimentou um total superior a 6,4 milhões de toneladas, crescimento de 11,5%, em relação a 2013; Salvador atingiu a 4,3 milhões, volume 9,7%  maior na comparação com o ano anterior e Ilhéus, com 506 mil toneladas, alcançou crescimento de 27,8%.

Rebouças cita Ilhéus como exemplo da política comercial agressiva desenvolvida pela Codeba para ampliar os itens de cargas da pauta de movimentação dos portos públicos baianos. Após negociação de mais de um ano, o porto voltou a ser destino para a exportação da safra de grãos do Tocantins, Goiás e do Oeste Baiano, embarcando 200 mil toneladas, com a expectativa de que esse volume seja bem maior em 2015.

:: LEIA MAIS »

Wagner discute Porto de Ilhéus com a presidente Dilma

Segundo informações do site Cia da Notícia, o governador Jaques Wagner discute hoje em Brasília com a presidente Dilma Rousseff sobre o Porto de Ilhéus.

De acordo com a publicação digital, trata-se de mais um capítulo da novela “Falta de vontade da Codeba com o antigo Porto do Malhado”.

O site afirma que a Companhia das Docas implica há tempos com o terminal portuário local.

maio 2017
D S T Q Q S S
« abr    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  


WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia