Faltam professores e aumentam-se as vagas para novos alunos, os laboratórios estão sucateados, recursos audiovisuais são ineficientes e há ausência de materiais para treinamento básico. Esse cenário é uma realidade no curso de Medicina na Faculdade de Tecnologia e Ciência (FTC), de acordo com o relatado pelos alunos da instituição ao Cremeb.

Preocupados com a formação desses futuros profissionais e com o serviço a ser prestado a população, o Conselho ajuizou uma ação civil pública na 16ª Vara Federal, visando melhorar as condições de ensino da FTC, no dia 3 de junho deste ano (segunda-feira).

A iniciativa do Cremeb segue uma bandeira defendida historicamente pelo Conselho, que é a formação digna e de qualidade para os futuros médicos. Nas palavras do próprio alunado, fica o questionamento: “como vamos aprender a reanimar uma parada cardíaca se o único desfibrilador que a instituição possui, não funciona?”.

O contato com o Cremeb para somar forças aos pleitos de melhoras não foi a única ação iniciada pelos alunos da FTC. De acordo com os documentos apresentados, eles realizaram manifestações nos arredores da instituição, enviaram cartas e documentos à diretoria da faculdade, além de acionarem o Ministério Público do Estado da Bahia, o que resultou na instauração de um inquérito civil, onde o MP busca um ajuste de conduta diante a FTC.