A tradicional lavagem das escadarias da Catedral de São Sebastião, de Ilhéus,este ano, será realizada nesta quinta-feira (18), a partir das 10 horas, no centro histórico da cidade, cujo ato integra a programação turística e cultural da temporada de verão. O rito popular, uma das e representações religiosas do município, foi incorporado ao ciclo de eventos do segmento turístico, cuja organização é compartilhada entre a secretaria de Turismo e Esportes (Setur) e o Sindicato dos Estivadores.Os festejos ocorrem desde a primeira metade do Século XX e une as matrizes religiosas católica e afro-brasileira.

 Segundo os organizadores, a lavagem é precedida por um cortejo, cuja concentração acontece na Avenida Dois de Julho, em frente à sede do Sindicato dos Estivadores, e percorre várias ruas do centro histórico da cidade, com a participação de blocos afros, carroças, baianas, grupos de capoeira e muitos populares que se agregam à manifestação. O cortejo da lavagem da escadaria é uma tradição dos estivadores ilheenses, marcado por muita alegria,música e agradecimento ao padroeiro da categoria.

Participação popular – Centenas de turistas,de várias partes do mundo, devem ser atraídos pelo cortejo este ano, já que, nesta quinta-feira, milhares de visitantes desembarcam do transatlântico MSC Musica, que atracará no Porto de Malhado. A devoção e a necessidade de expressão da fé e da religiosidade suplantaram as iniciativas e posições puristas. Atualmente, a grande marca dessas festividades é o convívio harmonioso entre as duas matrizes religiosas.

Estão previstas apresentações de grupos culturais dos terreiros Ilê Axé Ballomi, de Pai Toinho; Sultão das Matas; de Mãe Carmosina; terreiro de Mãe Luiza, do Banco da Vitória; de Pai Val, do Teotônio Vilela; de Mãe Conceição, da Avenida Esperança e do terreiro de Mãe Jeci, do Alto do Coqueiro, com as típicas baianas, que são uma marca da lavagem.

No ano passado, a Catedral de São Sebastião, imponente templo da igreja católica, completou 50 anos de existência e é considerada um patrimônio arquitetônico e cultural do município, que em 2018 completa 484 anos de fundação.