Na sessão da terça-feira (17), o vereador Luiz Carlos “Escuta” debateu no plenário da Câmara de Vereadores, o encerramento das atividades do escritório regional da Valec em Ilhéus. O escritório que funcionava a cerca de sete anos na cidade, empregava 22 pessoas entre concursados, comissionados e terceirizados.

Com a saída da empresa, Ilhéus perde em arrecadação de Imposto Sobre Serviços (ISS), Imposto sobre a Propriedade Predial Urbana (IPTU) e taxa de alvará, entre outros. O escritório possui lotes de construção que vinculam as cidades de Barra do Rocha, Brumado, Tanhaçu e Jequié; cidade para qual o escritório foi transferido.

De acordo com o vereador Luiz Carlos, “Essa transferência é inconcebível, pois nossa cidade terá em breve o Porto Sul, que integrará a Ferrovia de Integração Oeste Leste (FIOL), possui todo aparato logístico na região com aeroporto que tem voos para as cidades mais importantes do país, além da iminente duplicação da BR 415, que facilitará o acesso à BR 101”.

Representantes da Valec afirmam que a mudança do escritório está baseada na redução de custos para a empresa, que abrangeu também outras unidades cujas obras estão em processo de finalização. O vereador acrescenta ainda que “A nossa inquietação também está relacionada ao fato de Jequié já possuir uma estrutura administrativa da Valec e se apoderar de mais uma com a extinção da sede de Ilhéus“. “Fora isso, vale ressaltar que mesmo com essa transferência, alguns custos não serão eliminados como por exemplo, a locação de veículos, serviço de motoristas, reprografia e análise”, informou Luiz Carlos.

O edil acredita que cada vereador deve procurar os deputados aliados para pedir a manutenção do escritório em Ilhéus, para que a cidade não perca mais incentivos e possa voltar a gerar emprego e renda.