O secretário de Saúde da Prefeitura de Itacaré, Ricardo Lins, se reuniu nesta segunda-feira com diretora de Programas Estratégicos (Dipro), da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia, Jucélia Nascimento, e com a diretora de Execução e Operacionalização da Sesab, Gláucia Araújo, para solicitar o atendimento no município da carreta do programa itinerante Saúde sem Fronteiras Rastreamento do Câncer de Mama. A iniciativa faz parte do compromisso do prefeito de Itacaré, Antônio de Anízio, de ampliar cada vez mais o atendimento na área de saúde para mulheres e homens do município, da sede e da zona rural, principalmente no combate ao câncer de mama e também de próstata, além de evitar, diagnosticar e promover o tratamento de várias outras enfermidades.

Como parte desse encontro a Secretaria de Saúde de Itacaré conseguiu agendar para o município a carreta de mamografia para os dias 14 a 21 de agosto para realizar cerca   de 900 exames de mamografia para mulheres na faixa etária de 50 a 69 anos, da sede e da zona rural. O grande diferencial desse serviço realizado no Saúde sem Fronteiras é o acompanhamento das mulheres com mamografias inconclusivas, com a oferta de exames complementares para o diagnóstico e o encaminhamento ao tratamento, visando à integralidade do atendimento.

O secretário de Saúde Ricardo Lins adiantou que a proposta do prefeito Antônio de Anízio é de realizar, paralelo ao trabalho da carreta de mamografia, uma Feira de Saúde, para ampliar o acesso à saúde, contando com atendimento de ginecologistas e exame de laboratório no rastreamento de câncer em pessoas do sexo masculino e feminino. De acordo com ele, os homens poderão realizar os exames de próstata e as mulheres o atendimento para exames de hormônio, TSH, HIV e uma série de serviços.

O prefeito Antônio de Anízio alerta às mulheres para a importância de se realizar os exames, já que o câncer de mama, quando detectado e tratado precocemente, tem mais de 90% de chance de cura. E os números são assustadores. Dados computados pela Sesab apontam que em 2016 morreram 814 mulheres vítimas do câncer de mama na Bahia. Em 2015, este número chegou a 865. Em 2017, dados preliminares, até 28 de junho, apontam que 338 mulheres morreram vitimadas pela doença.

O câncer de mama é uma doença que preocupa as autoridades de saúde no mundo inteiro. “Através do Saúde sem Fronteiras, o Governo do Estado vem buscando, em todas as regiões da Bahia, mulheres que não tiveram a oportunidade de realizar um exame de mamografia e que, às vezes, nem tem noção da importância do diagnóstico precoce dessa doença que, se não for tratada a tempo, pode levar à morte”, esclarece Jucélia Nascimento, diretora de Programas Estratégicos (Dipro), da Secretaria da Saúde do Estado, responsável pelo programa.

Para as mulheres com diagnóstico positivo, o tratamento cirúrgico, quimioterápico ou radioterápico será realizado em unidades de alta complexidade em oncologia na região de residência das pacientes. Este programa é uma ferramenta de acesso da mulher às ações de prevenção, diagnóstico e tratamento do câncer de mama.